Burnout – o que é?
Burnout ou burn-out é um termo inglês que significa “queimar até à exaustão”, sendo utilizado muitas vezes para definir uma síndrome associada a um estado de grande cansaço físico, mental e emocional.

 

A síndrome de burnout pode ter várias causas (é multifatorial), mas, por norma, é reflexo de um ambiente profissional exigente. Foi considerada durante muitos anos uma realidade exclusiva de profissões com maior envolvimento interpessoal (como as da área da saúde). De facto, os profissionais de saúde, como os médicos, enfermeiros e farmacêuticos, por terem um contacto permanente com pessoas debilitadas, com horários de trabalho muitas vezes exigentes, podem estar mais sujeitos a sentir este tipo de desgaste.

No entanto, na verdade, o burnout pode acontecer em qualquer ramo, estando associado, por exemplo, a ambientes de grande competitividade, em que as atividades atribuídas não são adequadas a cada indivíduo ou quando há sobrecarga de tarefas e/ou de horários. Assim, atualmente, esta síndrome é considerada uma questão de saúde pública, acreditando-se que pode afetar indivíduos de qualquer classe profissional, incluindo estudantes, nomeadamente, universitários.

É frequentemente referida como uma resposta do organismo ao stress profissional prolongado (crónico), podendo originar vários sinais e sintomas, tais como:

  • Alterações de humor (como, por exemplo, tristeza, apatia, irritabilidade e desmotivação) sem causa aparente;
  • Dores de cabeça, costas e/ou barriga na ausência de doença.

Se considera que poder estar em burnout, lembre-se:

  • Identifique os fatores que contribuem para o stress no trabalho. Deste modo, será mais fácil geri-los ou até mesmo eliminá-los;
  • Avalie opções: o diálogo com os seus superiores é essencial na gestão de espectativas sobre o trabalho que desenvolve;
  • Adeque a sua postura: tente reter os aspetos positivos do seu ambiente de trabalho e valorizar o que corre bem;
  • Veja a sua saúde como um todo: os cuidados com o corpo, como, por exemplo, a prática regular de atividade física, podem ajudar a gerir estas questões. Do mesmo modo, dormir, pelo menos, 7 a 8 horas por noite ajuda a recuperar o bem-estar e a preservar a saúde.

Por fim, lembre-se da importância de procurar apoio profissional nestas situações.  Este apoio poderá ainda ser acompanhado, por exemplo, pelo diálogo com familiares, amigos ou até mesmo outros colegas de trabalho.