Não mais dores de garganta
Perante uma dor de garganta, na procura de uma solução rápida, muitas vezes pode existir uma tendência errada para pensar que é necessário tomar antibiótico.

 

Os antibióticos nem sempre são úteis, uma vez que inibem ou matam bactérias, e a maioria das dores de garganta são de origem viral (exemplo: gripes e constipações).

Em geral, estas dores de garganta, sem complicações, resolvem-se, por si, ao fim de alguns dias, período que pode ser encurtado e/ou passado com menor desconforto, se tiver alguns cuidados, tais como:

  • Beba líquidos em abundância – preferencialmente, água, mas poderá apostar também em bebidas mornas, como chá com mel. Evite bebidas com cafeína e álcool, já que estes ingredientes podem contribuir para a desidratação;
  • Gargareje, sem engolir, com uma solução de água morna com sal. Esta medida não é aconselhada em crianças;
  • Considere adquirir, na sua farmácia, rebuçados, preferencialmente sem açúcar, que ajudem a aliviar a dor de garganta – não os dê a crianças com menos de 4 anos;
  • Dentro de casa, humidifique o ambiente (para ajudar a lubrificar as vias respiratórias);
  • Evite fumar e permanecer muito tempo em ambientes com fumo ou outros elementos que possam contribuir para irritar as vias respiratórias, tais como produtos de limpeza para a casa;
  • Descanse o máximo possível – aposte numa boa noite de sono e evite falar muito, para não esforçar a garganta.

Por vezes, a par destes cuidados, pode justificar-se a toma de medicamentos. Muitos dos medicamentos indicados para estas situações não requerem receita médica, mas isto não quer dizer que sejam isentos de riscos – por este motivo, na hora de os adquirir, fale sempre com o seu farmacêutico. Este encontra-se habilitado para lhe aconselhar medidas não farmacológicas que possam ajudá-lo e para o ajudar com a terapia adequada ao alívio dos seus sinais e sintomas. Por outro lado, o farmacêutico também está apto a identificar situações de maior gravidade, encaminhando-o para o médico sempre que necessário.

A ida ao médico poderá ser necessária, por exemplo, se a dor de garganta:

  • Durar há mais de uma semana;
  • For um problema frequente;
  • Se fizer acompanhar de: febre elevada, dificuldade em engolir ou respirar ou sons não habituais ao respirar.