Hiperplasia Benigna da Próstata – Sintomas e Diagnóstico, sem receios!
A próstata, quando aumenta de volume, de forma exagerada, mas não cancerosa (condição designada de hiperplasia benigna da próstata), pressiona e aperta a uretra, dificultando a passagem de urina.

 

Como resultado, os músculos da bexiga tornam-se mais espessos e fortes, o que se reflete em diferentes sintomas do trato urinário inferior, nomeadamente:

  • Aumento da frequência urinária – oito ou mais vezes por dia;
  • Urgência urinária – incapacidade de retardar a micção (expulsão de urina);
  • Dificuldade em iniciar o fluxo de urina;
  • Fluxo de urina fraco ou interrompido;
  • Driblar no final da micção;
  • Noctúria – micção frequente durante períodos de sono;
  • Retenção urinária;
  • Incontinência urinária – perda acidental de urina;
  • Dor durante a micção ou após a ejaculação;
  • Urina com uma cor ou cheiro incomum.

Mas não espere que os sintomas apareçam, para atuar!

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menor será o risco de complicações, ao passo que, se for feito tardiamente poderá causar lesões permanentes, que levam a uma menor eficácia do tratamento.

O diagnóstico começa pela história clínica e observação médica, que pode incluir o toque rectal para permitir avaliar a dimensão e textura da próstata. Este é realizado com lubrificação, por profissionais de saúde experientes e trata-se de um exame simples, rápido que não tem de necessariamente ser feito em todas as visitas ao médico.

Realizar o exame do toque rectal ou qualquer outro exame não afeta a sua masculinidade! O importante é cuidar de si mesmo e nunca colocar a sua saúde em segundo lugar.

Para além do toque retal, podem também ser necessários outros exames como análises laboratoriais, urofluxometria (permite avaliar as características da micção e quantificar o grau de obstrução), ecografia prostática (fornece imagens muito precisas deste órgão) ou um exame através da uretra.

Se sofrer desta condição, não desanime! Hoje em dia existem diferentes opções de tratamentos, farmacológicos e cirúrgicos, cada vez menos invasivos, que permitem resolver a situação com sucesso e de forma mais confortável, possibilitando-o retomar a sua vida normal num curto espaço de tempo!