Movimentos comprometidos – O que é a Doença de Parkinson?
Em Portugal estima-se que existam cerca de 20 mil portugueses com Doença de Parkinson, a segunda doença degenerativa mais comum do sistema nervoso central, a seguir à Doença de Alzheimer.

 

Porque surge a Doença de Parkinson?

Embora não se conheça a causa exata, sabe-se que as manifestações desta doença surgem devido a uma diminuição dos níveis cerebrais de uma substância química – a dopamina (importante no controlo dos nossos movimentos). Esta diminuição ocorre porque os neurónios (células cerebrais) que a produzem morrem. Estima-se que, quando 60 a 80% dos neurónios produtores de dopamina tenham morrido, comecem a surgir os primeiros sintomas motores. Estes são caracterizados, na maioria dos casos, por tremores involuntários localizados geralmente nos membros superiores, como por exemplo as mãos. Esta é a fase em que o doente, por norma, procura ajuda médica. Como a dopamina está também associada ao processamento de informação, o seu défice pode ser também responsável por problemas de memória e raciocínio.

Fatores ambientais e genéticos têm sido apontados como possíveis fatores de risco. Mas, o principal fator de risco é a idade, ou seja, a probabilidade de desenvolver a doença aumenta com o envelhecimento. No entanto, 20% dos casos são diagnosticados antes dos 50 anos de idade.

Reconhece os sinais e sintomas desta doença?

Sinais e sintomas motores: tremor de repouso, que ocorre quando não está a realizar qualquer movimento (inicialmente nos membros superiores), lentidão dos movimentos, aumento da rigidez muscular e dificuldade em manter o equilíbrio.

Sinais e sintomas não motores: depressão, perda do olfato, alterações do sono (insónia), dificuldade ao urinar, prisão de ventre, demência, entre outros.

Tratamento

Ainda não existe cura, mas os sintomas podem ser controlados através da toma de certos medicamentos. Ainda assim, quer a resposta à medicação, quer as complicações motoras, variam de doente para doente, por isso, a evolução natural da doença deve ser sempre acompanhada por profissionais de saúde especializados.

A Doença de Parkinson muda a vida não só dos doentes, mas também dos seus familiares mais próximos. Com a sua progressão, os doentes acabam por precisar de ajuda para realizar atividades diárias banais, como comer, tomar banho ou vestir-se… o que lhes pode causar frustração e ansiedade. A compreensão e ajuda são, por isso, fundamentais.