À flor da pele
“Dermatite atópica” ou “eczema atópico” – provavelmente já ouviu falar nestes dois termos, mas sabia que são sinónimos? É verdade, as palavras “dermatite” e “eczema” têm o mesmo significado.

 

É, muitas vezes, durante os primeiros meses de vida que a dermatite atópica se manifesta, mas… boas notícias: nestes casos, tende a melhorar significativamente com a idade, podendo mesmo, por vezes, resolver-se, espontaneamente, entre os 5 e os 8 anos de idade.

Em caso de dermatite atópica, a pele tende a apresentar-se:

  • Seca;
  • Vermelha;
  • Sensível.
  • Com prurido (comichão);
  • A descamar.

Embora a sua causa exata não seja conhecida, sabe-se que não é contagiosa. Verifica-se que surge, muitas vezes, em crianças com história familiar da mesma ou de outras doenças com base alérgica, como a asma e/ou a rinite alérgica.

Nos primeiros anos de vida, as lesões começam por abranger, normalmente, o rosto e/ou os cotovelos e joelhos, mas também podem incluir outras áreas do corpo. Mais tarde, ainda durante a infância, as manifestações tendem a abranger outras áreas, como as mãos e zonas de flexão (exemplo: dobras dos cotovelos e joelhos), podendo afetar também a zona atrás das orelhas, os pés e o couro cabeludo.

Nos adultos, as manifestações podem ser ligeiramente diferentes: a pele tende a apresentar-se muito seca e a descamar com mais intensidade do que nas crianças. Além disso, a par de poderem localizar-se no rosto e em zonas de flexão, como os cotovelos e joelhos, podem abranger ainda o pescoço e a nuca. No rosto, podem ser especialmente marcadas ao redor dos olhos.

Alguns cuidados diários podem ajudar a controlar as manifestações de dermatite atópica, mas nem sempre são suficientes. Nesses casos, é essencial procurar um médico, que poderá recomendar medicamentos específicos para ajudar a reparar a pele e controlar o prurido (comichão). Alguns destes medicamentos são para utilizar apenas num curto período de tempo, sendo absolutamente fundamental respeitar este e outros cuidados na sua utilização. O profissional de saúde indicado para o guiar e aconselhar neste ponto é o farmacêutico – não hesite em pedir-lhe ajuda!