6 questões fundamentais sobre a medicação a colocar ao seu médico
Os benefícios são os efeitos positivos que têm sobre o estado de saúde, enquanto os riscos são os efeitos adversos relacionados com o seu uso. Conhecê-los é fundamental para uma utilização efetiva e segura dos medicamentos.

 

Um doente responsável é um doente informado, uma vez que a dúvida pode levar ao erro. Pergunte ao seu médico e ao seu farmacêutico tudo o que precisa saber sobre os seus medicamentos:

– Qual o nome e para que servem os medicamentos que estão a ser receitados ou aconselhados?

– Qual o seu efeito?

– Como devem ser tomados?

– Durante quanto tempo devem ser tomados?

– Quais os cuidados especiais a ter durante a toma ou utilização?

– Que efeitos adversos podem surgir e o que devo fazer caso ocorram?

A resposta a estas seis questões é essencial, porque:

– Existem medicamentos com nomes diferentes, mas com as mesmas substâncias, por isso iguais. São exemplo disto os chamados medicamentos genéricos mas também medicamentos de marca que podem conter substâncias iguais. Conhecer a composição dos medicamentos que toma e os seus efeitos é importante para o tratamento e para garantir que não está a tomar o mesmo composto, mais vezes do que deveria, embora com nomes diferentes.

– A forma de administração varia. Há medicamentos que se tomam oralmente, outros que se aplicam na pele, nos olhos ou nos ouvidos e ainda os que são injetáveis. A dose e os intervalos entre tomas são adaptados a cada doente e a cada situação.

– Alguns medicamentos levam tempo a fazer efeito, por isso o tratamento não deve ser interrompido, salvo sob indicação do médico e/ou do farmacêutico.

– Pode ser necessário tomar certas precauções quando se tomam: não beber álcool, não conduzir máquinas, não ingerir certos alimentos ou afastar a toma de outros medicamentos.

– Os medicamentos podem causar efeitos secundários que é preciso conhecer e acautelar: se ocorrerem devem ser comunicados ao médico e/ou farmacêutico.