A cárie dentária
A cárie dentária é uma doença infeciosa crónica dinâmica comum a todas as idades.

 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a cárie é um processo que provoca um amolecimento do tecido duro, evoluindo com o tempo, para a formação de uma cavidade. Se a higiene oral for deficiente esta destruição das estruturas duras dos dentes pode ocorrer logo após a erupção dos dentes de leite.

 

Remineralização – desmineralização:

A cárie manifesta-se pela desmineralização dos tecidos dentários causados pelo ataque dos ácidos produzidos durante o metabolismo dos açúcares pelas bactérias existentes na placa dentária.

Numa fase inicial, a remineralização pode ocorrer, especialmente quando o pH é restaurado pela ação da saliva. Contudo, se este “ataque” for repetitivo e intenso, a saliva não é suficiente para recuperar o equilíbrio e inicia-se a desmineralização dos tecidos dentários com formação de cavidades (destruição) dentárias.

A remineralização implica utilizar flúor e diminuir os ataques de ácidos (menor ingestão de alimentos ácidos e potencialmente cariogénicos).

 

Sintomas e complicações da cárie

Nem todos os dentes são afetados da mesma forma.

Inicialmente a desmineralização que ocorre não apresenta nenhuma sintomatologia.

Com a evolução surge uma mancha branca que progride para a formação de uma cavidade, através da qual, as bactérias afetam a dentina (parte do dente menos dura que o esmalte). Verifica-se, nesta fase mais avançada, um aumento da sensibilidade a estímulos térmicos ou osmóticos (mudança de pH ou de concentração de substâncias como os açucares), mau hálito e dor.

Uma cárie que não seja tratada pode levar à destruição do dente. Se a cárie atingir apenas o esmalte e a dentina, o tratamento cirúrgico consiste na remoção da parte afetada e reconstrução. Se, no entanto, a cárie atingir a polpa dentária, o tratamento é mais invasivo. A prevenção continua, até à data, a ser o “tratamento” mais eficaz.

 

Leia também: “Cárie: quais os fatores de risco?”