A relação entre a exposição à luz solar e o nosso estado de espírito
Por vezes, não há nada como um dia solarengo para levantar o ânimo! Para além de constituir uma importante fonte de vitamina D e de ser fundamental no crescimento saudável dos ossos, o sol pode ainda, ter uma influência considerável sobre o humor.

 

Aliás, sabia que alguns médicos defendem que, o facto dos níveis de luz solar serem mais reduzidos nos meses de inverno pode, em algumas pessoas, resultar numa redução da produção de serotonina e numa maior produção de melatonina?

Este fenómeno pode agravar sintomas de depressão e conduzir a um estado de apatia, em algumas situações. Este estado é, por alguns autores, considerado uma perturbação sazonal, sendo uma das formas de tratamento mais utilizadas a terapia com lâmpadas de luz brilhante, cuja intensidade é dez vezes superior à intensidade de uma lâmpada normal. O objetivo é substituir a luz brilhante emitida pelo sol, característica do verão, acreditando-se que pode influenciar a concentração de determinadas substâncias químicas e hormonas no organismo, que afetam a nossa disposição.

Um estudo realizado em 2016 pela Brigham Young University revelou que a duração da luz do dia afeta mais o humor do que fatores como a temperatura, poluição ou chuva. Assim, é normal que muitas pessoas, durante o inverno, possam sentir-se com pouca energia, com uma motivação menor, e com uma sensação de inércia (inatividade), devido ao facto de os dias serem mais curtos (existe menos luz solar).

Embora existam diversos estudos, nem sempre totalmente concordantes, sobre o real efeito do sol no estado de espírito, a verdade é que um dia solarengo merece ser aproveitado da melhor forma. Se costuma sentir-se “em baixo” nos dias cinzentos ou mais curtos, procure reeducar-se e manter o humor e motivação constantes ao longo do ano: pratique atividade física de forma regular, adote uma alimentação rica em vitaminas e em minerais e defina uma lista de prioridades em que tenha tempo para si e para as atividades que gosta. Um suplemento alimentar de vitamina D, se recomendado por um profissional de saúde, pode, em alguns casos, ser uma boa opção. Se ainda assim se sentir recorrentemente infeliz ou com sintomas depressivos não hesite em consultar o seu médico.