Cuidados alimentares e saúde oral
Atualmente, acredita-se que a cárie dentária parece estar menos relacionada com a dieta propriamente dita do que com os comportamentos individuais.

 

Contudo, a alimentação é um fator importante e deve informar-se sobre o seu efeito direto nos dentes, quer no desenvolvimento de cárie quer na erosão do esmalte dentário:

1) o total de açúcares ingeridos é determinante para o estado de saúde geral, no entanto no que diz respeito à cárie dentária o número de vezes que se consome açúcar é mais importante do que a quantidade de açúcar que se ingere por dia.

2) a pior altura do dia para consumir produtos açucarados é antes de dormir porque, por um lado, mesmo escovando bem os dentes antes de se deitar é difícil garantir que não permanecem vestígios de açúcar na boca e, por outro, a produção de saliva durante a noite diminui e o seu efeito protetor e de auto limpeza é menor;

3) os alimentos pegajosos são mais prejudiciais (os rebuçados, pastilhas, caramelos, batatas fritas, bolos, cereais de pequeno-almoço açucarados principalmente quando ingeridos sem leite) pois permanecem muito tempo na boca e aderem à superfície dos dentes.

4) os vários tipos de açúcares não contribuem da mesma forma para a cárie dentária. Os açúcares como a sacarose (açúcar de mesa), o mel e os xaropes, são mais cariogénicos, uma vez que, como estão na sua forma simples, estão mais disponíveis para as bactérias da boca.

5) O amido é menos cariogénico que os açúcares simples, no entanto, misturas de amido e açúcar (ex.: bolos, pães açucarados, bolachas e biscoitos com açúcar, flocos de cereais com açúcar, sobremesas e outros doces com farinha e açúcar) são potencialmente mais cariogénicas que a sacarose por si só;

6) os lacticínios não açucarados têm propriedades protetoras contra a cárie. A lactose do leite apresenta um baixo potencial cariogénico e, além disso, o leite contém compostos (ex: cálcio, fósforo, caseína) que previnem a cárie. Assim, os leites e os iogurtes não açucarados são boas opções para as refeições intermédias;

7) os hortícolas, a fruta e os cereais integrais são ricos em fibra e requerem uma maior mastigação que estimula a produção de saliva e promove uma limpeza mecânica dos dentes (sem nunca substituir uma adequada escovagem dos dentes).

8) as bebidas ácidas, como os sumos, refrigerantes, bebidas desportivas, bebidas energéticas e algumas bebidas alcoólicas, podem provocar a erosão do esmalte dentário, mesmo que não tenham adição de açúcar Para minimizar os efeitos erosivos das bebidas ácidas é aconselhável a diminuição o seu consumo ou optar por ingeri-los à refeição (almoço ou jantar)..Para reduzir contacto destas bebidas com os dentes pode ingeri-las através de uma palhinha;

9) há açúcares escondidos nos alimentos e, por isso, é importante consultar os rótulos das embalagens;

10) as pastilhas elásticas sem açúcar demonstram têm demonstrado ser “amigas dos dentes” pois contêm adoçantes que não provocam cárie dentária (ex: xilitol, sorbitol) e ajudam a aumentar o fluxo de saliva para limpar os alimentos que ficam na boca.

A alimentação tem uma importância fundamental na nossa saúde, pelo que, a saúde oral não é exceção.

A melhor maneira de evitar um problema é, por vezes, aprender a melhor forma de o prevenir. Uma alimentação adequada, variada, com baixas quantidades de açúcar, associada a uma escovagem de dentes frequente e bem realizada é meio caminho andado para uma boa saúde oral.