Hidratar, hidratar, hidratar…
A hidratação deve ser um cuidado de todo o ano, mas quando chega o inverno é preciso reforçá-lo: é que nesta altura do ano a pele corre um risco acrescido de secura. Afinal, as temperaturas no exterior descem convidando a um conjunto de comportamentos que, embora ajudem a manter o corpo quente, podem ser agressivos para a pele.

Vejamos: contra o frio, por exemplo, aumenta-se a temperatura dos espaços interiores, prolongam-se os banhos utilizando água mais quente, o que faz com que a pele acabe por se queixar: é que o uso de aquecedores seca o ar e a pele; e a água quente, quando em contacto prolongado com a pele, contribui para desequilibrar a camada hidrolipídica, que funciona como uma barreira natural contra a desidratação.

Alguns produtos de higiene corporal e de limpeza doméstica são também demasiado agressivos para a pele, alterando as suas características e diminuindo as suas defesas naturais.

Mas não é só devido a hábitos incorretos que a pele pode ficar seca, há também a influência da idade e do género: com o envelhecimento, as glândulas sebáceas abrandam a atividade, o que seca a pele, sendo que a das mulheres é mais suscetível do que a dos homens.

Não há zonas do corpo a salvo, mas o rosto (em particular os lábios) e as mãos sofrem mais, pois estão mais expostos à diferença de temperaturas – do frio para o calor e de novo para o frio – e às agressões externas, como o vento.

Causas à parte, a pele seca denuncia-se através de uma textura áspera, por vezes com vermelhidão e descamação, formando-se rugas finas que podem evoluir para fissuras (gretas). Causa desconforto e, nalguns casos, muito mais: a extrema secura pode ser uma porta aberta para outros problemas como inflamação ou mesmo infeções da pele.

É um risco desnecessário, pois é possível – e desejável – prevenir a desidratação da pele. Há gestos de conforto e saúde simples, mas vitais:

  • evitar banhos prolongados e demasiado quentes (um por dia, de preferência duche, com água morna e de apenas 15 minutos);
  • usar produtos de higiene corporal suaves (as emulsões de limpeza são preferíveis aos sabonetes);
  • limpar o corpo sem esfregar (o atrito da toalha remove a gordura natural da pele).

Depois do banho, há que aplicar um hidratante e, se a pele já der sinais de secura, o ideal é repetir a aplicação ao longo do dia. As mãos e pés também carecem de creme hidratante apropriado, aplicado com generosidade e também, se possível, sempre que necessário. Os lábios devem ser protegidos com batom hidratante. Por fim, mas não menos importante, há que beber líquidos em abundância: a água é o melhor de todos, mas chás e infusões também são úteis e nos dias frios até sabem bem…