Idosos e Medicamentos
Quando se é idoso é necessário ter ainda mais cuidado com os medicamentos. Saiba como evitar riscos e conseguir o máximo benefício.

 

Os efeitos da idade

Os avanços científicos permitiram acrescentar anos à vida – vive-se mais e melhor. Ser idoso não significa ser doente mas o envelhecimento tem alguns riscos para a saúde. Com alguma frequência o idoso pode ter mais do que uma doença e precisar de tomar vários medicamentos – doente polimedicado. Associado a um aumento no consumo de medicamentos pelos idosos, corresponde uma maior probabilidade de aparecimento de efeitos adversos e interações, que devem ser prevenidos de modo a garantir o uso seguro dos medicamentos.

Na origem deste risco acrescido está também o próprio organismo: com a idade a capacidade de transformação e eliminação dos medicamentos sofre alterações. Alguns medicamentos apresentam efeito durante mais tempo e atuam de forma diferente num idoso do que num adulto jovem.

É, pois, necessário reforçar os comportamentos que conduzam a uma utilização correta, segura e efetiva dos medicamentos.

Informar e ser informado

Conhecer os medicamentos que toma é o primeiro passo: assim, será mais provável que os tome corretamente e que esteja em condições de prevenir e identificar eventuais efeitos adversos. Fale com o seu médico e com o seu farmacêutico e solicite esclarecimento sobre os seus medicamentos – é essencial que esclareça as suas dúvidas:

Como se chama o medicamento? Para que serve? Qual o seu efeito?

Como devo tomá-lo? E quando? Antes, depois ou no intervalo das refeições? Há alimentos que devo evitar?

Por quanto tempo devo tomá-lo?

Que cuidados especiais devo ter? Posso beber álcool? E conduzir?

O que devo fazer caso ocorram efeitos adversos?

Se necessário, para conseguir compreender e acompanhar as explicações, peça ao profissional de saúde para falar mais lentamente, com uma linguagem simples. Se a informação for exaustiva, peça para escrever a informação num papel de forma legível e acessível.

Partilhe informação: informe o seu médico e o seu farmacêutico sobre todos os medicamentos que toma, sejam ou não de receita médica, sem esquecer os chamados produtos de saúde – chás, vitaminas e suplementos. Este conhecimento permitirá escolher o medicamento e a dose mais correta, segura e eficaz.

Em nome da segurança

Cumprir o tratamento é essencial para que que este seja eficaz. E é possível tomando alguns cuidados:

  • Mantenha um registo atualizado de todos os medicamentos que toma, incluindo os não sujeitos a receita médica e os produtos de saúde;
  • Traga o registo sempre consigo e guarde uma cópia em casa; se necessário dê uma terceira cópia a um amigo ou familiar;
  • Mostre o registo sempre que vai ao médico ou à farmácia;
  • Respeite as instruções do médico e do farmacêutico sobre a toma dos medicamentos: não salte doses, não mude o horário das tomas, não interrompa o tratamento, não misture medicamentos e álcool;
  • Organize os seus medicamentos e ajude a sua memória colocando lembretes pela casa – na porta do frigorífico, no espelho da casa de banho, na cabeceira da cama… crie o seu próprio sistema;
  • Se vai de viagem lembre-se de informar o seu médico ou farmacêutico. Há medicamentos que requerem cuidados adicionais em função do destino ou meio de transporte.

 

O seu farmacêutico pode ajudá-lo a usar os medicamentos de uma forma correta, segura e eficaz. Da próxima vez que for à farmácia, combine com o seu farmacêutico o dia e a hora para trazer o saco com todos os medicamentos que toma e esclareça as suas dúvidas. E sempre que possível, visite a mesma farmácia: a proximidade favorece o diálogo e a partilha de informação, fundamental em saúde.