Medicamentos e Álcool – Relação perigosa
“Quando tomo medicamentos tenho de deixar de beber?” - Esta é uma pergunta comum cuja resposta carece do melhor aconselhamento profissional.

 

Muitos medicamentos interagem com o álcool, abrindo caminho a alguns riscos para a saúde e mesmo para a segurança de todos.

Pelos mesmos caminhos

Os medicamentos e o álcool, muitas vezes, passam por processos muito semelhantes no nosso organismo, percorrendo caminhos paralelos que, quando se cruzam, podem originar efeitos que constituem riscos para a saúde:

  • Os medicamentos viajam pelo sangue até ao local onde vão atuar, produzindo o efeito terapêutico desejado num dado órgão ou tecido, até que o medicamento é eliminado do organismo;
  • O álcool é igualmente transportado pelo sangue, atuando sobre o sistema nervoso antes de ser transformado pelas enzimas do nosso organismo (metabolizado) e eliminado, principalmente através do fígado.

Assim, o consumo de bebidas alcoólicas pode pôr em causa o efeito terapêutico de alguns  medicamentos, abrindo portas a um problema de saúde ou a um acidente.

 

Ao volante, não!

Conduzir sob o efeito do álcool pode ser meio caminho andado para um acidente. Quando a esta equação se juntam medicamentos, o risco cresce. Combinados, álcool e medicamentos interferem negativamente diminuindo a perceção, a concentração e a capacidade de reação imprescindíveis durante a condução.

 

Mais vale perguntar

Então como saber se é possível ou não beber álcool durante o tratamento? Informando-se.

Pergunte ao seu médico qual o risco associado aos medicamentos prescritos. E pergunte na sua farmácia, no momento da dispensa, quer se trate de um medicamento sujeito a receita médica, quer seja usado em automedicação. Aqui encontra profissionais que conhecem os medicamentos, sabem quais os efeitos secundários e em que medida o álcool pode interferir. Tome a decisão segura!

Leia também: “Medicamentos e Alcool-Influências reciprocas