Namorar é preciso
Hoje em dia, aos 50 anos existe muita gente a começar de novo. Com toda a sua capacidade de amar, porque o sentimento não tem idade e o corpo, apesar de algumas adaptações inerentes à idade, contínua apto para a vivência da sexualidade.

 

Há mudanças físicas e psicológicas, claro, nos homens e nas mulheres, mas nenhuma delas impede o amor e o sexo. Vejamos então que alterações ocorrem na resposta sexual masculina e na feminina.

Resposta Masculina:

No homem assiste-se a uma diminuição das taxas de testosterona. Esta é a hormona responsável pela resposta sexual.

Também a nível da excitação se pode verificar uma maior dificuldade em sensibilizar as áreas erógenas, obtendo-se uma maior resposta nos órgãos genitais externos. Quanto à ereção, o homem na meia-idade ou na terceira idade leva mais tempo a consegui-la e o pénis apresenta menos rigidez.

Mas nada disto impede que o homem mantenha uma vida sexual ativa. Não o impede sequer de ter filhos, pois este período de mudanças (a andropausa) não interfere com a fertilidade.

 

Resposta Feminina:

Já com as mulheres o cenário é diferente, pois o período correspondente, a menopausa, marcada pelo fim da menstruação, corresponde ao fim do seu tempo fértil.

As mulheres passam por esta fase da vida com mais distúrbios do que o homem. Irritabilidade e oscilações de humor são, a nível psicológico, alguns indícios de que a menopausa pode estar em curso.

Com o fim da menstruação o corpo sofre algumas mudanças, a nível da pele, das mamas e dos órgãos genitais, consequência da diminuição da produção de estrógenos, as hormonas femininas. A resposta sexual conhece, assim, algumas alterações, mas não desaparece.

A mulher mantém a libido, com a correspondente capacidade de excitação e de obter orgasmos. O que se passa, por exemplo, é que há menos lubrificação da vagina, com o risco de se sentir dor na penetração do pénis.

 

No homem ou na mulher, estas mudanças não devem ser motivo de alarme, pois ocorrem lentamente, quase sempre sem sobressaltos. Nem para o homem nem para a mulher, a meia-idade significa que o tempo da sexualidade acabou.

Manter a atividade sexual com o avançar dos anos tem um duplo benefício: o de manter o espírito jovem e o de estimular os órgãos que vão sendo afetados pelo envelhecimento. É como uma pescadinha de rabo na boca: o sexo rejuvenesce o corpo e, com o corpo em boa forma, ganha-se maior disposição e interesse pela atividade sexual.

Abrem-se, pois, novas perspetivas a quem pensava que, com a idade, tinha chegado ao fim o tempo de ouro da sexualidade. Aliás, a vida traz consigo a experiência e a serenidade que enriquecem a vida sexual de uma forma impossível quando se é jovem.

Se necessitar de esclarecer mais questões acerca destes temas, consulte o seu farmacêutico.