O que é a Vigorexia?
A vigorexia é considerada um Transtorno Dismórfico Corporal (TDC), grupo no qual se inserem as perturbações psicológicas caracterizadas pela distorção da própria imagem física.

 

Este tipo de perturbações (TDC) pode incluir manifestações como:

  • Obsessão com uma parte específica do corpo;
  • Tentativa permanente de esconder características consideradas não ideais;
  • Observação repetida ao espelho ou, pelo contrário, esforço permanente por evitar este gesto;
  • Comparação constante com outras pessoas;
  • Necessidade extrema de aprovação pelos outros;
  • Prejuízo da vida social e escolar/profissional;

Falamos em vigorexia sempre que esta distorção da imagem incide sobre o corpo e, particularmente, sobre o seu grau de musculatura. A prática de atividade física de forma regular é um pilar importante para um estilo de vida saudável e, é cada vez maior, o número de pessoas a frequentar ginásios de forma regular. No entanto, há que saber reconhecer a linha que separa o que é saudável do que é excessivo. Um(a) doente com vigorexia tende a considerar-se fisicamente mais fraco e menos musculado do que realmente é. Nesse sentido, pode manifestar:

  • Obsessão com o exercício físico e a alimentação, com a finalidade de atingir o “corpo ideal”;
  • Preocupação constante em ganhar massa e definição muscular;
  • Frustração intensa quando não consegue treinar;
  • Sentimento de inferioridade e baixa autoestima;
  • Isolamento e indiferença perante atividades sociais e laborais;

Se está ou conhece alguém que tenha este problema, importa ter em conta os seguintes aspetos:

  • Não se conhecem as causas exatas de vigorexia, mas sabe-se que tende a começar de modo gradual e subtil, sendo mais comum em jovens adultos (por volta dos 20 anos);
  • Não é possível prevenir a vigorexia. Os grandes pilares do seu controlo são a deteção e tratamento precoces, num processo levado a cabo por profissionais de saúde e que pode incluir terapia comportamental e/ou medicação;
  • A terapia cognitivo-comportamental, que passa pela avaliação e correção de padrões de pensamento do doente, tem-se revelado extremamente útil no controlo deste tipo de transtorno;
  • A vigorexia não se resolve por si, podendo afetar seriamente o dia a dia dos doentes. Pedir ajuda é o primeiro passo para deixar de sofrer com este problema!