Aftas. Causas, sinais e sintomas
A afta é uma lesão dolorosa da mucosa da boca, com tendência recorrente, que qualquer indivíduo pode desenvolver.

Causas

Surge como efeito de alguns fatores e pode ocorrer noutras doenças mais graves

a) trauma oral – como a mordedura acidental, escovagem agressiva e tratamento dentário (ex.: colocação de próteses dentárias);

b) ansiedade e stresse;

c) alguns alimentos – apesar de alguma controvérsia alguns alimentos agravam as aftas ( alimentos ácidos, como tomate, citrinos e vinagre, e também, o chocolate, morangos, alguns queijos, amêndoas, entre outros). Recomendar os alimentos de textura macia e fácil de mastigar;

d) mudanças hormonais e ciclo menstrual – a mulher apresenta maior suscetibilidade em relação ao homem;

e) medicamentos – como alguns anti-inflamatórios e anti-hipertensores;

f) alergias a determinadas substâncias;

g) doenças sistémicas – como por exemplo, infeções, baixas defesas imunitárias, doenças gastrintestinais, deficiência em vitamina B12 , entre outras.

 

Sinais e sintomas

Normalmente aparecem na superfície interna da bochecha, lábios, língua, palato e gengivas.

O principal sintoma é a dor, que dura 4 a 10 dias nas aftas menores. Piora quando a língua ou alguns alimentos (quentes ou picantes) tocam na ferida e desaparece sem tratamento.

Normalmente é uma lesão pequena, com tendência a ser recorrente. Aparece como uma mancha esbranquiçada, arredondada e rodeada por uma linha vermelha. Menos frequentemente, pode ser acompanhada de febre, desconforto geral ou inflamação dos gânglios do pescoço. Nestas situações, e em caso de durar mais de 2 semanas, referenciar ao médico.

Quando a lesão apresenta linhas brancas ou uma substância (tipo leitosos), que ao limpar deixa uma superfície ensanguentada, pode ser sinal de infeção de candidíase oral (“sapinhos”)

 

Tratamento e cuidados 

Na presença de aftas, desaconselhar a ingestão de alimentos quentes, condimentados e que, eventualmente, podem agravar a dor. Para prevenir, aconselha-se a rotina de higiene oral. Normalmente, não é necessário tratamento. Contudo, importa ser referenciado ao médico todas as lesões de duração superior a 2 semanas, sobretudo se não forem dolorosas. O aconselhamento inclui os:

a) produtos de cuidado e higiene oral com alegação anti-inflamatória, de barreira de proteção ou de cicatrização como o ácido hialurónico, os triesteres de glicerol oxidado (TGO) e os probióticos (restabilizadores do equilíbrio da microflora periodontal). Estes podem ser encontrados no mercado em forma de penso liquido, spray, gele e colutório;

b) medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) com indicação nas doenças da boca, sempre aplicados de acordo com instruções que garantem o seu uso seguro de utilização;

c) analgésico e anti inflamatório local (salicilato de metilo, ácido salicílico, salicilato de colina);

d) anti-inflamatório esteróide local (triancinolona);

e) anestésico local (lidocaína);

f) anti-infecioso local (hexetidina, cloro-hexidina, iodeto de tibezónio, miconazol, nistatina).