Outubro, mês internacional de Prevenção de Cancro da Mama
Na segunda quinzena do mês de outubro celebram-se duas datas importantes relacionadas com este tema: dia 15 assinala-se o Dia Mundial da Saúde da Mama e dia 30 o Dia Nacional de Luta Contra o Cancro da Mama.

O movimento conhecido como Outubro Rosa (Pink October, no original) surgiu nos Estados Unidos, na década de 1990, para sensibilizar a população quanto à importância da prevenção no combate ao cancro da mama.

A cor rosa foi escolhida por ser considerada feminina nos países ocidentais modernos. A fita cor de rosa é uma forma de evocar a solidariedade com as mulheres que lutam, atualmente, contra a doença, promovendo a consciencialização para este problema. Rapidamente se tornou uma campanha à escala mundial, sendo múltiplas as atividades realizadas para reforçar a necessidade e a importância da prevenção para tornar possível um diagnóstico precoce.

O cancro da mama é uma das principais causas de morte por cancro, entre as mulheres, sendo considerado entre estas, o tipo de cancro mais frequente. Em Portugal, anualmente são detetados cerca de 6.000 novos casos de cancro da mama, e cerca de 1.500 mulheres morrem com esta doença.

São conhecidos alguns dos fatores de risco (fatores que podem aumentar a probabilidade de ter uma determinada doença) para o cancro da mama. Estes estão muito associados ao estilo de vida e a características reprodutivas inerentes à vida moderna e ocidentalizada (obesidade, ausência da prática de atividade física, a toma da pílula, a opção de não amamentar, entre outros), mas não só. Entre 5 a 10% dos cancros da mama diagnosticados aparentam características genéticas e hereditárias que, caso sejam confirmadas, justificam (ou até mesmo exigem) um acompanhamento mais precoce e cuidadoso das familiares próximas .

O facto de não existir uma causa per si e a grande dificuldade em diminuir a prevalência da doença e dos fatores de risco para o cancro da mama justificam uma prevenção secundária, isto é, que sejam concretizados procedimentos e atitudes que assegurem o diagnóstico, o mais precocemente possível, das lesões malignas. Estes incluem o controlo rigoroso e periódico por mamografia, nomeadamente através do Programa de Rastreio de Cancro da Mama que a Liga Portuguesa contra o Cancro promove e, quando adequado, o recurso a ecografia, recorrendo sempre ao aconselhamento médico, sobretudo a partir dos 50 anos. Quando é diagnosticado de forma precoce o cancro da mama tem uma taxa de cura muito elevada.

O Cancro da Mama é uma das doenças com maior impacto na sociedade, não apenas pela sua prevalência, mas também por afetar um órgão cheio de simbolismo, quer na maternidade quer na feminilidade.