Pernas pesadas
De um dia para o outro os tornozelos ficam grossos como uma trave devido ao edema que se instala, um dos sinais mais habituais de insuficiência venosa.

 

É chamada “Doença da civilização”, dizem os médicos, que, se não tratada nas suas formas iniciais, pode  evoluir para lesões graves e irreversíveis. Quando o sangue encontra o caminho de regresso ao coração dificultado ou interrompido dá origem a um conjunto de sintomas que são vulgarmente chamados de pernas pesadas.

Principalmente no verão, surge uma sensação de peso nas pernas, um inchar dos tornozelos e dos pés (edemas) ou ainda em cãibras noturnas, sensações anormais de calor ou de frio, pés gelados e varizes.

Na origem destas perturbações está um simples fenómeno de dilatação das veias: as pequenas válvulas antirrefluxo que cobrem as paredes internas afastam-se e não auxiliam o sangue a encaminhar-se para o coração. Assim, o sangue cede ao peso e acaba por estagnar na região dos tornozelos. A pressão venosa aumenta sensivelmente naquela área e o tónus venoso fica diminuído. Esta nova configuração é muitas vezes acompanhada por uma infiltração de água nos tecidos que leva à formação de edemas. Estes sinais funcionais podem, se não forem tratados preventivamente, tornar-se crónicos e provocar afeções mais graves e por vezes irreversíveis.

No dia-a-dia, ligaduras elásticas compressivas, collants e meias de compressão ajudam a manter a correta circulação, exercendo uma compressão elástica que promove a reabsorção do edema, diminui o calibre venoso e aumenta o fluxo sanguíneo. As chamadas “meias elásticas já não têm um aspeto menos agradável de outrora: as fibras são mais finas, as cores variadas e, na maior parte dos casos, existem em vários tamanhos. Para serem realmente eficazes, as meias de contenção devem ser adaptadas a cada caso (sensação de peso, varizes, edema, gravidez, etc.). O melhor é aconselhar-se com o seu médico ou farmacêutico.

Leia também

“Pernas pesadas: verfique se tem fatores de risco!” e “Pernas pesadas: conhece as consequencias?”

Para mais questões, não hesite em contactar o seu farmacêutico.