Clamídia – O que é, como se transmite?
As bactérias do género Chlamydia são responsáveis por vários tipos de doenças em humanos, incluindo a clamídia genital, uma doença sexualmente transmissível (DST), isto é, adquirida após contacto sexual desprotegido (sem uso de um método contracetivo de barreira, como o preservativo) com alguém infetado.

 

A clamídia genital é causada pela bactéria Chlamydia trachomatis e é, atualmente, uma das DST mais frequentes no mundo. É muitas vezes assintomática (os doentes não apresentam sinais nem sintomas), mas pode causar:

  • Ardor/dor ao urinar;
  • Dor na zona inferior da barriga;
  • Corrimento vaginal, peniano (do pénis) ou retal;
  • Nas mulheres: sangramento durante a relação sexual e/ou sangramento entre períodos menstruais;
  • Nos homens: dor ou sensação de queimadura e edema (inchaço) nos testículos.

O diagnóstico de clamídia genital começa pela identificação destes sinais e sintomas, podendo evoluir depois para uma análise laboratorial de amostras fisiológicas, para o diagnóstico da doença.

As perspetivas de evolução da doença são positivas: é facilmente tratada com recurso a antibióticos específicos, prescritos pelo médico. No entanto, pode gerar algumas complicações se não for tratada numa fase inicial, como novas infeções nos órgãos genitais e/ou vias urinárias e infertilidade. Em mulheres grávidas, pode causar inflamação da conjuntiva ocular (conjuntivite) ou pneumonia no bebé. Pode também originar Síndrome de Reiter, definida pela presença de conjuntivite (inflamação da membrana que protege o olho), artrite (inflamação das articulações) e uretrite (inflamação da uretra), ao mesmo tempo.

A forma mais eficaz de prevenir a clamídia genital é o uso de preservativo. Aliás este é o único método contracetivo que protege contra qualquer DST.  Adicionalmente, e por se tratar de uma doença muitas vezes assintomática, é aconselhado o rastreio laboratorial anual de todas as mulheres sexualmente ativas e com idade superior a 25 anos.

Para mais informações, não hesite em contactar o seu farmacêutico.