Medicamentos com história: Penicilina
A Penicilina foi o primeiro antibiótico na história da medicina, e nada faria prever a sua descoberta.

 

No ano de 1928, Alexander Fleming, um médico inglês, estudava uma temível bactéria conhecida como Staphylococcus aureus que infetou as feridas de inúmeros combatentes, durante da Primeira Guerra Mundial. Durante a sua investigação, Fleming realizou várias culturas em placa de Staphylococcus, ou seja, “semeava” as bactérias numa placa cheia de nutrientes, em condições ideais para elas crescerem e se multiplicarem para, posteriormente, poder observá-las e estudá-las.

Exausto, após vários dias de pesquisa, Fleming interrompeu o seu trabalho e tirou uns dias de férias. Por esquecimento, deixou as placas com as culturas de bactérias sobre a sua mesa de trabalho, sem qualquer proteção. Após o seu regresso, observou que as placas estavam contaminadas com bolor (algo comum neste tipo de situações). Estava prestes a deitar fora todo o material quando, ao observar melhor as culturas, percebeu que as zonas com bolor não tinham a presença de Staphylococcus. Assim, Fleming concluiu que este fungo (identificado como Penicillium notatum) produzia uma substância antibacteriana que destruía esta bactéria, atribuindo-lhe o nome de penicilina. Estava assim descoberto o primeiro antibiótico – a Penicilina.