Próstata sem receios!
O rastreio e o diagnóstico precoce são essenciais para diminuir a mortalidade associada a doenças da próstata, das quais o cancro é a face mais visível.

 

Se quase todos os homens já ouviram falar de cancro da próstata, poucos foram os que já consultaram o médico para falar sobre a doença e submeter-se a um rastreio que permitirá que o diagnóstico seja feito precocemente aumentando a possibilidade de cura.

O cancro da próstata é, frequentemente, diagnosticado tardiamente. Por um lado, porque pode desenvolver-se sem sintomas e, por outro, porque muitos homens ainda são relutantes no que respeita ao rastreio.

E porquê? Essencialmente porque a próstata é um órgão do aparelho reprodutor masculino, logo associado à sexualidade. É uma glândula que contribui para a fertilidade na medida em que produz um líquido que compõe o esperma e que transporta os espermatozoides, embora não interfira no desempenho sexual.

O que pode acontecer é que formas graves de algumas doenças relacionadas com a próstata, bem como alguns dos tratamentos destinados a essas doenças, originem problemas de disfunção eréctil. Do mesmo modo, muito embora a próstata não integre o sistema urinário, as doenças com ela relacionadas causam incómodo a este nível: é que a glândula situa-se logo abaixo da bexiga, envolvendo a parte inicial da uretra, o canal que conduz a urina até à extremidade do pénis, por onde é expelida.

É, pois, uma glândula complexa, mas da qual os homens não se apercebem ao longo da vida. Até que, com o passar dos anos, podem surgir alguns problemas, sendo que as doenças da próstata ocorrem essencialmente após os 50 anos, podendo ocorrer antes, se houver antecedentes familiares. São problemas que, no mínimo, comprometem a qualidade de vida, mas que podem, em alguns casos, ser graves ao ponto de colocar em causa a própria vida. Muito depende de um diagnóstico precoce.