Uma questão de higiene (no feminino)
A vagina possui os seus próprios mecanismos de higiene. É o suor e a proximidade do aparelho urinário que justificam que seja necessária a limpeza eficaz da vagina.

Uma higiene adequada previne o aparecimento de infeções, mas pode não ser suficiente para as evitar. Lavagens em excesso deixam a mulher mais vulnerável. Assim:

– Lave os órgãos genitais só com água e sabão não perfumado, suave e neutro;

– No máximo, faça duas lavagens íntimas por dia;

– Não faça duches vaginais – estes podem causar um desequilíbrio da flora vaginal, podendo agravar o estado da infeção;

– Os toalhetes e desodorizantes secam a região vaginal; reserve-os para situações excecionais como viagens;

– Lave-se e limpe-se sempre na direção da vagina para o ânus, de modo a evitar que a flora intestinal entre em contacto com a região genital;

– Prefira roupa interior de algodão;

– Evite roupas de tecidos sintéticos e apertadas, pois favorecem o desenvolvimento de infeções;

– Os produtos de higiene íntima podem ser utilizados, mediante indicação médica ou farmacêutica;

– Mude de detergente ou amaciador de roupa, se suspeita que os mesmos causam irritações na zona genital;

– O látex, presente nos preservativos, o uso de diafragma e alguns espermicidas podem ser irritantes da mucosa, deixando-a mais suscetível a infeções. Fale com o seu médico e veja qual a melhor solução para si;

– Evite banheiras de hidromassagem;

– Mude de fato-de-banho ou roupas húmidas, assim que puder.

 

Se tiver dúvidas sobre os melhores cuidados ou se evidenciar alguns sintomas atrás descritos, não hesite: procure o seu farmacêutico, que está disponível para lhe facultar toda a informação necessária sobre a forma mais adequada de prevenir e tratar uma infeção vaginal para além de a encaminhar para o médico sempre que tal se justifique.