Previna o excesso de peso nas crianças: +ativos, +saúde
Prevenir o excesso de peso e a obesidade nas crianças está ao alcance de todas as famílias: uma alimentação saudável, a prática de atividade física adequada e uma atitude positiva são fatores essenciais para que tal seja possível.

 

UM COMPROMISSO EM FAMÍLIA

Quando os quilos a mais aparecem, está sempre a tempo de os combater. Para que a criança obtenha melhores resultados, é preciso que toda a família se comprometa com uma mudança de hábitos, principalmente a nível alimentar. Há que dar o exemplo!

 

PESO A MAIS?

Para saber se a criança apresenta peso a mais, é necessário avaliar o seu peso e altura. Divida o peso, em quilos, pelo quadrado da altura (altura x altura), em metros. Desta forma obtém o valor do IMC – Índice de Massa Corporal, o qual indica se o peso se encontra dentro do intervalo recomendado. De seguida compare este valor com as curvas do IMC para a idade e sexo presentes no Boletim Individual de Saúde, desde 2005, ou consulte as tabelas disponibilizadas pela DGS. Se o valor se situar entre os percentis 85 e 95 há excesso de peso; acima do percentil 95 corresponde a obesidade.

 

COMER MELHOR

Tudo começa com uma boa alimentação:

› O pequeno-almoço é a refeição mais importante do dia, pelo que deve ser tomado todos os dias, de forma equilibrada e variada: com leite ou derivados, hidratos de carbono de absorção lenta (como o pão escuro ou cereais integrais) e uma peça de fruta;

› O intervalo entre as refeições principais deve ser de 3-4 horas, devendo, entre as mesmas, fazer pequenas refeições, como por exemplo um iogurte ou uma peça de fruta;

› Opte por alimentos saudáveis, dando preferência a frutas, legumes, leite, cereais integrais e carnes brancas. Aumente o consumo de peixe e limite as gorduras, o açúcar e o sal;

› Inicie sempre a refeição com uma sopa de legumes – é nutritiva e saciante, impedindo que a criança coma em demasia durante o resto da refeição;

› Opte por pequenas porções no prato, respeitando os diferentes constituintes da roda dos alimentos;

› Incentive a criança a mastigar devagar – quanto mais rápido comer, maior a quantidade ingerida até se sentir saciada;

› Quando a criança já comeu o suficiente, não a force a comer tudo o que está no prato;

› Estimule a criança a beber água (1 a 2 L, em função da idade, estação do ano e atividade física praticada), evitando os sumos açucarados e refrigerantes, os quais não devem fazer parte da alimentação diária mas sim restringirem-se a ocasiões especiais;

› Remova as gulodices da dispensa e de locais de fácil acesso;

› Faça das refeições momentos de convívio e partilha em família;

› Não use a comida como recompensa ou castigo.

 

MAIS ATIVO

Promover a atividade física é o passo seguinte:

› Pratique atividades ao ar livre com a criança;

› Incentive-a a praticar um desporto que lhe agrade;

› Vá aumentando, gradualmente, o tempo dedicado à prática de atividade física;

› Estabeleça limites para as atividades sedentárias, como ver televisão, jogar computador ou consola (consulte o médico pediatra para saber qual o limite recomendado).

Ao longo do dia, as crianças devem somar, no mínimo, 60 minutos de atividades que impliquem gasto de energia: correr, saltar, nadar ou andar de bicicleta são boas alternativas.

 

PESO SAUDÁVEL

Cada criança cresce ao seu ritmo e nem sempre é fácil saber se tem peso a mais. É preciso encontrar um equilíbrio entre o que come e o que gasta em atividade física. Caso contrário, a probabilidade de desenvolver um peso pouco saudável é acrescida.

E este é um caminho a evitar. Ter um peso adequado na infância e adolescência traz muitos benefícios, entre eles:

› Diminui o risco de excesso de peso na idade adulta;

› Reduz o risco de complicações futuras, como o desenvolvimento de doença cardiovascular e diabetes tipo 2;

› Melhora a autoestima, previne o isolamento e a discriminação e favorece a socialização.

Peça conselho ao seu farmacêutico!