Acidentes à espreita
As tarefas domésticas podem, em qualquer idade, levar à ocorrência de acidentes, pequenos e de fácil resolução, ou maiores e a necessitar de cuidados mais específicos. Cortes e queimaduras enquanto cozinha são dos mais comuns mas, quase sempre, pouco graves. É uma mais-valia saber tratá-los e preveni-los.

 

 

As tarefas domésticas podem, em qualquer idade, levar à ocorrência de acidentes, pequenos e de fácil resolução, ou maiores e a necessitar de cuidados mais específicos. Cortes e queimaduras enquanto cozinha são dos mais comuns mas, quase sempre, pouco graves. É uma mais-valia saber tratá-los e preveni-los.

Uma panela com água a ferver entornada sobre a sua mão, uma faca, num corte mais brusco, que escapa, um ferro de engomar que desliza ao encontro de um braço, uma queda devido a um tapete mal colocado ou a um chão acabado de lavar, um prego que se martela mais ao lado… Estes são exemplos do quotidiano, exemplos de pequenos acidentes comuns no ambiente doméstico, que podem ser evitados ou tratados de forma a evitar sequelas

Sejam cortes ou queimaduras, têm em comum o facto de serem lesões da pele e por isso devem ser tratadas. As mais superficiais ficam-se pela epiderme, pelo que são de menor gravidade. Já as mais profundas podem atingir o tecido celular subcutâneo e muscular, sendo, portanto, mais graves.

Todas exigem cuidados adequados e rápidos, de modo a minimizar a extensão dos danos e a promover uma recuperação sem marcas.

 

QUEIMADURAS EM GRAUS

As queimaduras estão entre os acidentes mais comuns em ambiente doméstico. Líquidos quentes que se entornam acidentalmente na pele, uma tomada elétrica que faz faísca, um produto químico que entra em contacto com a pele…  todas estas situações podem ar origem a queimaduras.

A gravidade da queimadura depende de vários fatores, nomeadamente a zona, a extensão e a profundidade da queimadura. De acordo com este último parâmetro, a profundidade, as queimaduras classificam-se em 3 graus.

As menos graves, de primeiro grau, afetam apenas a epiderme, deixando-a quente e vermelha, ligeiramente inchada e com sensação de calor e dor. Geralmente, saram em três a seis dias.

As queimaduras de segundo grau são mais dolorosas porque atingem a derme. Apresentam bolhas com líquido, por vezes pus, e pode perder-se parte da pele. A sua cicatrização pode prologar-se durante semanas.

As queimaduras de  grau, são as mais profundas, envolvendo destruição de tecidos e dos nervos, além das características das anteriores.  A pele pode apresentar-se com manchas brancas, castanhas ou pretas. Esta lesão gradualmente deixa de causar dor. A recuperação é muito lenta, podendo ser necessária intervenção cirúrgica para substituição dos tecidos.

A maior parte das queimaduras que acontecem em casa, são de primeiro grau, e por isso, podem ser tratadas sem recurso às Urgências.

O primeiro cuidado a ter, deve ser arrefecer a pele, o que se consegue aplicando soro fisiológico ou, na sua falta, água fria corrente, até a dor acalmar. Proteja a zona queimada com gaze ou um pano limpo e pode, para ajudar a aliviar a dor, utilizar pomadas próprias ou gazes gordas, à venda em farmácias. As queimaduras de primeiro grau, geralmente, saram por si só, no entanto, se cobrir grande parte do corpo ou afetar um idoso ou criança deve sempre dirigir-se a um hospital.

Se surgirem bolhas, está-se na presença de uma queimadura de segundo grau e pode, numa fase inicial, utilizar o mesmo princípio para arrefecer a pele. Posteriormente deve aplicar na zona lesada uma solução antisséptica (sem álcool), secando levemente e com cuidado para não rebentar a bolha, com uma compressa esterilizada – o algodão não deve ser usado pois pode aderir à ferida.

Não deve rebentar as bolhas e, caso elas rebentem por si, não corte a pele, pois aumenta o risco de infeção. Não deve colocar sobre a queimadura manteiga ou qualquer outra gordura, mas sim, caso seja uma queimadura de segundo grau com bolhas rebentadas, um penso absorvente, que deve manter-se durante 48 horas para evitar infeções. Quando na presença de queimaduras de segundo grau deve sempre procurar ajuda médica após estes primeiros cuidados.

Se estiver na presença de uma queimadura de terceiro grau cubra-a com uma gaze estéril ou pano limpo e procure ajuda médica imediata. Não retire qualquer roupa ou substâncias aderentes à queimadura. Se for possível, procure elevar a zona queimada (braço, por exemplo), acima da cabeça.

 

FERIDAS HÁ MUITAS

Comuns no dia-a-dia são também as feridas. Para caracterizar uma ferida consoante o grau de gravidade é necessário ter em atenção diversos fatores, nomeadamente a sua extensão, a profundidade e a localização da lesão.

As feridas superficiais e sem grande hemorragia denominam-se escoriações. São geralmente causadas pela fricção da pele numa superfície rugosa e áspera, resultando em arranhões e esfoladelas acompanhados, por vezes, de uma hemorragia ligeira e temporária.

As lacerações, correspondentes a cortes mais penetrantes, atravessam as várias camadas da pele e podem atingir a camada lipídica (de gordura) ou os tecidos mais profundos. Quase sempre ocorre hemorragia, moderada a severa e é recomendada a avaliação numa unidade de saúde para garantir o tratamento adequado.

Frequentes são também as puncturas – lesões na pele causadas por objetos pontiagudos como um alfinete ou um prego ou até a ponta de uma faca. Destas picadas resulta uma ferida discreta, com hemorragia mínima ou até ausente. Apesar da gravidade não parecer elevada, é necessário algum cuidado pois pode ocorrer o risco de infeção.

 

RISCO MENOR

Adotando algumas precauções é possível diminuir o risco de ocorrência dos vários acidentes referidos acima:

Proteja as lareiras e braseiras;

Proteja as tomadas elétricas, sobretudo se houver crianças em casa;

Mantenha os fósforos e isqueiros fora do alcance e da vista das crianças;• Guarde os detergentes e outros produtos químicos em locais inacessíveis à curiosidade infantil, se necessário fechados à chave;

Mantenha as pegas dos tachos e frigideiras viradas para a parede quando cozinha;

Não deixe a porta do forno aberta se este estiver quente;

Não deixe tachos, panelas ou frigideiras ao lume sem vigilância.

Use luvas protetoras ou pegas quando retirar as refeições do fogão ou do forno;

Não agarre pegue em crianças e alimentos/bebidas quentes ao mesmo tempo;

Verifique a temperatura da água antes de as crianças entrarem no banho;

Verifique a temperatura do leite antes de o dar ao bebé;

Explique às crianças que não devem mexer em objetos quentes nem brincar com o fogo.

Não coloque material de alumínio no micro-ondas, pode provocar faísca.

Não deixe o ferro de engomar ligado quando não estiver junto dele.

Guarde as facas e objetos cortantes em locais de difícil acesso para as crianças.