Bullying na escola
A entrada para a escola é um momento marcante na vida de todos – pais e filhos. A felicidade do seu filho, dentro e fora da escola, depende muito da forma como é tratado, mas também de como trata os outros.

 

 

Nesta nova fase, por vezes, surgem pequenos desentendimentos com colegas, que são normais e não deverão deixá-lo preocupado, desde que exista sempre respeito.

Nem sempre as crianças percebem isto e por vezes surgem situações de bullying. O bullying consiste no ato de tratar mal alguém intencionalmente e abrange:

Bullying físico – inclui gestos como:·         Empurrar

·         Puxar cabelos

·         Roubar e/ou destruir bens pessoais

 

Bullying verbal – inclui:·         Insultos e comentários maldosos

·         Ameaças

 

Bullying social – quando que se coloca alguém de parte, por exemplo, impedindo-o de participar em atividades de grupo

 

Cyberbullying – sempre que se é maldoso “virtualmente” (exemplo: através de redes sociais ou chats de jogos), nomeadamente ao falar:·         De modo agressivo

·         De assuntos que façam o outro sentir medo ou vergonha

 

Para ajudar o seu filho a evitar ou superar situações de bullying:

  • Mantenha a janela da comunicação aberta: motive o seu filho a partilhar consigo o dia a dia, incluindo medos e preocupações. Só assim poderá ajudá-lo a ultrapassar momentos menos bons;
  • Incentive-o a aproveitar as idas ao hospital ou à farmácia: reforce que, a par de poder contar consigo, pode falar com profissionais de saúde (médicos, psicólogos, farmacêuticos ou enfermeiros);
  • Esteja presente: compareça, sempre que possível, nas reuniões da escola. Se desconfia que o seu filho é alvo de bullying, não hesite em falar diretamente com um dos seus professores, de modo a tentar esclarecer o que se passa durante o período de aulas;
  • Reforce junto do seu filho que quem gosta, respeita e que, quando tal não acontece, é importante este saber afastar-se e pedir ajuda, se necessário.

Evite o cyberbullying – tenha presentes os seguintes conceitos:

  • Firmeza: os mais novos só devem ter acesso a certo tipo de dispositivo ou plataforma se/quando sentir que é pertinente;
  • Moderação: reforce que estas formas de comunicação surgiram para melhorar as relações que temos em pessoa e não para as substituir.