Tratar a dor de garganta
Perante uma dor de garganta, há tendência para solicitar antibióticos, em busca de uma cura rápida. Todavia, nem sempre são úteis, uma vez que a maioria das dores de garganta são de origem viral.

 

Como os antibióticos atuam apenas em infeções causadas por bactérias, não tendo qualquer efeito sobre os vírus, não são, na maioria das vezes, indicados para a dor de garganta.

Em geral, uma dor de garganta sem complicação resolve-se, por si só, ao fim de alguns dias com algumas medidas de autocuidado:

  • Beba líquidos em abundância, à temperatura ambiente (preferencialmente água);

  • Gargareje, sem engolir, com uma solução de água morna salgada (1 colher de chá de sal por cada copo de água);

  • Tome chá com limão e mel para suavizar a garganta;

  • Chupe um rebuçado, preferencialmente sem açúcar, porque estimula a produção de saliva e reduz a secura da garganta;

  • Humidifique o ambiente (para lubrificar as vias respiratórias);

  • Evite fumar, estar em ambientes com fumo ou muito aquecidos.

Se estas medidas não forem suficientes, pode ser necessário reforçá-las com medicamentos. O aconselhamento farmacêutico é, nesse caso, essencial, uma vez que muitos dos que estão indicados para estas situações não requerem receita médica.

No entanto existem situações cuja gravidade impõe uma consulta médica. Tais como:

  • dores de garganta fortes, prolongadas ou frequentes;

  • rouquidão persistente;

  • acentuada dificuldade em respirar e engolir;

  • febre elevada;

  • saliva com sangue ou pús;

  • pescoço rígido;

  • sintomas não habituais.

O seu farmacêutico encontra-se habilitado a identificar situações de maior gravidade, encaminhando-o para o médico sempre que considere necessário. Em situações de menor gravidade, pode aconselhar-lhe a terapia adequada e as medidas não farmacológicas mais indicadas à sua situação.  Não hesite: usufrua do aconselhamento disponível na sua farmácia!