Metodos Contracetivos
São muitos os métodos contracetivos que existem atualmente. Por isso, na hora de escolher, é necessário conhece-los!

 

Naturais

Consistem na abstinência de relações sexuais, durante o período fértil da mulher – altura do ciclo menstrual em que a probabilidade de engravidar é maior. Não são os mais aconselhados uma vez que apresentam um grau de ineficácia considerável.

Incluem:

  • o método do calendário
  • o método da temperatura basal
  • o método do muco cervical

 

Não Hormonais

Também designados por métodos “barreira”, impedem o contacto entre os espermatozoides e o óvulo. Incluem:

O preservativo

  • é o único método contracetivo que protege contra infeções sexualmente transmissíveis;
  • pode e deve ser utilizado ao mesmo tempo que outro método contracetivo (pílula, DIU, implante, etc.), designando-se este método de Dupla Proteção;
  • não tem efeitos secundários ou contraindicações.

O dispositivo intrauterino (DIU)

  • é um pequeno dispositivo, normalmente em forma de “T”, que é introduzido na cavidade uterina, por um profissional de saúde;
  • Tem um nível de eficácia muito elevado e é uma contraceção de longa duração.

 

Hormonais

Contêm hormonas que produzem alterações no corpo, como a não libertação de óvulos pelos ovários. São os métodos mais eficazes na prevenção de uma gravidez indesejada.

Incluem:

As pílulas contracetivas

  • comprimido que deve ser tomado todos os dias à mesma hora;
  • pode ajudar a regularizar os ciclos menstruais;
  • não afeta a fertilidade;
  • melhora as dores associadas à menstruação;
  • diminui o risco de doença inflamatória pélvica;
  • reduz em 50% o risco de cancro do ovário.

Os adesivos

  • adesivo fino, fácil de aplicar, no braço, costas ou barriga. O adesivo liberta uma dose diária de hormonas através da pele para a corrente sanguínea;
  • apenas precisa de ser mudado uma vez por semana, não sendo necessário precauções ao tomar banho ou ir à piscina, por exemplo;
  • a sua eficácia não é comprometida em caso de vómitos ou diarreia.

Os implantes subcutâneos

  • implante que se coloca por baixo da pele. A sua inserção é feita no antebraço por um profissional especializado. Trata-se de um procedimento simples em que apenas é necessário o uso de uma anestesia local;
  • método contracetivo hormonal de longa duração (3 anos);
  • não interfere com a relação sexual ou a amamentação;
  • a sua eficácia não é comprometida em caso de vómitos ou diarreia.

As soluções injetáveis

  • consiste numa injeção intramuscular profunda onde o contracetivo é libertado de forma lenta e progressiva no sangue;
  • tem uma duração de 3 meses;
  • reduz as perdas de sangue.

O anel vaginal

  • consiste num anel de textura suave e flexível, que se insere na vagina, sendo trocado ao final de um mês;
  • a sua eficácia não é comprometida em caso de vómitos ou diarreia;
  • pode ajudar a regularizar os ciclos menstruais;
  • melhora as dores associadas à menstruação.

 

A utilização de qualquer um dos métodos acima deve ser feita com o acompanhamento do médico.

 

Cirúrgicos ou definitivos

  • Incluem a laqueação das trompas, para as mulheres, e a vasectomia, para os homens.