O essencial sobre a gripe
A gripe é uma infeção respiratória provocada pelo vírus Influenza, mais comum durante os meses de inverno (entre novembro e março, no hemisfério Norte).

 

O vírus é transmitido:

  • De forma direta – pelo ar, nas gotículas expelidas quando se espirra, tosse ou simplesmente quando se fala, não implicando contacto físico para haver contágio;
  • De forma indireta – através de objetos contaminados por pessoas com gripe (por exemplo as maçanetas de portas, o telemóvel, o teclado do computador ou o comando da televisão)

A melhor forma de evitar a gripe é apostar em medidas de prevenção. No entanto, nem sempre é possível e, quem está infetado, mesmo que ainda sem sintomas, já pode espalhar o vírus.

As manifestações da gripe surgem ao fim de dois a quatro dias após o contágio, de forma súbita:

  • arrepios;
  • febre alta (38º – 40º axilar);
  • dores musculares, articulares e de cabeça;
  • mal-estar geral.
  • Este mal-estar é, muitas vezes, acompanhado de tosse, ligeira dor de garganta e nariz entupido.

Nas crianças, são também frequentes náuseas, vómitos e diarreia, bem como prostração (manifestação de cansaço extremo, com imobilidade e ausência de reação), sobretudo nas mais pequenas. Também a febre tende a ser mais elevada nas crianças e podem-se desenvolver-se infeções a nível dos ouvidos (otite) devido à má drenagem das secreções nasais. Estas podem acumular-se e potenciam o desenvolvimento de infeções oportunistas.

Na maioria dos casos, ao fim de uns dias, os sinais e sintomas mais prevalentes desaparecem. A tosse e a fadiga, no entanto, podem persistir durante uma ou duas semanas.

É uma doença geralmente autolimitada, sendo recomendados alguns cuidados, para alívio dos sinais e sintomas. No entanto, e principalmente em grupos de risco como os idosos, pode dar origem a complicações, sendo a mais preocupante a pneumonia.