Otites: sinais e sintomas
A otite é uma infeção bacteriana ou viral que se desenvolve no ouvido, um orgão pouco protegido e muito suscetível à entrada de vírus, bactérias e poluição.

 

 

É um problema muito frequente nas crianças entre os 3 meses e os 3 anos de idade, especialmente durante a época balnear.

O ouvido é formado por três partes: o ouvido externo (orelha e canal auditivo), ouvido médio (tímpano e câmara de ar) e ouvido interno (orgãos da audição e equilíbrio).

 

Problema: uma otite pode ser externa, média aguda e média serosa. A otite externa é uma inflamação do canal auditivo externo; a otite média aguda é uma inflamação do ouvido médio, que pode obstruir a trompa de Eustáquio, um canal que nas crianças é mais curto e estreito e as torna mais suscetíveis que os adultos a este tipo de infeção; a otite média serosa é uma acumulação de líquido, que reduz a mobilidade do tímpano e produz perda auditiva.

A principal causa da otite externa é uma infeção por bactérias ou fungos, favorecida pela acumulação excessiva de cerúmen ou de humidade. Já a otite média aguda costuma dever-se a uma infeção bacteriana. A otite média serosa está relacionada principalmente com o aumento de volume dos adenoides, a rinite alérgica, os resfriados, sobretudo nas crianças que frequentam infantários.

 

Sinais e sintomas:

Otite externa – dor que se agudiza ao manipular a orelha;

Otite média aguda – dor, febre elevada e diminuição da audição. Podem ser resultantes de dor irradiada dos dentes, levando a perda de apetite, vómitos e diarreia;

Otite média serosa – dor episódica (quando a trompa de Eustáquio fica obstruída) principalmente quando a criança está com o nariz entupido, diminuição da audição, ressonar, voz nasalada;

Na maior parte das situações as otites resolvem-se sozinhas ou são facilmente tratadas. Se a dor for muito intensa podem ser aplicadas compressas quentes sobre o ouvido ou pode ser receitada medicação para alívio da febre e das dores. Caso a infeção seja de origem bacteriana, o médico pode ainda receitar um antibiótico.

Embora este seja um problema comum existem pequenos gestos que podem ser adotados para a prevenção.

Recomendações:

  • Não deve utilizar-se algodão nem cotonetes na limpeza dos ouvidos;
  • Deve usar-se protetores auditivos quando se pratica natação ou mergulho;
  • Fazer lavagens nasais frequentes com soro fisiológico ou água do mar para evitar a congestão nasal;
  • Em caso de crianças pequenas, não alimentar na posição deitada;
  • Amamentar pelo menos até aos 4 meses, uma vez que o leite materno confere alguma imunidade.

Deve ser consultado um médico se a criança se queixar de dor de ouvido acompanhada de febre persistente durante mais de 1 dia, se ocorrer eliminação de sangue ou pus pelo ouvido e se após tratamento não houver melhoria.